25 de jan de 2010

Família.


Eu nunca falei aqui abertamente da minha vida, do que vivo e das coisas que sinto em relação a minha vida romantica, digamos assim.

Como o ano é novo, vou começar mudando um pouco...caminhando para revelar-me sempre e cada vez mais.

Esse ano vim passar as férias aqui no RJ, aonde ainda estou, na minha casa e na casa da minha Amada, no caso na nossa casa.

Muitas coisas tem acontecido, muitos sentimentos, alguns desentendimentos até porque a Amada é mais que bagunceira...hehe.

Tivemos o prazer de receber a minha família aqui em casa. Veio a minha mãe, uma delas (a biológica), minha sobrinha de 13 anos, a de 3 anos (que ainda ta aqui comigo) e uma amiga e a filha dela que são praticamente da família.

E hoje eu quero falar de como é bom ter uma família que aceita a gente como somos.

Quando eu resolvi que iria contar sobre a Amada pra família não foi uma decisão facíl e nem conseguir fazer isso na primeira vez.

A primeira a saber foi minha irmã, ela sempre é a primeira a saber, mesmo quando eu e ela brigamos ela é a primeira a saber..hehe.

Para ela não foi fácil, ela disse que me amava, que aceitava e que era pra eu ser feliz, mas ela tem as suas dificuldades para entender completamente, e eu a respeito.

Depois veio o restante da família...e quando não dava mais pra dar desculpas, eu corri o risco, mas sempre na certeza de que minha família me ama e que independente do que eu escolhesse para mim eles sempre estarão ao meu lado, contei pra minha mãe (a adotiva), mãe Tata pra simplificar, e depois dela para o restante da rapaziada.

O receio do que poderia vir foi horrível de ser sentido, o medo, o receio...minha mente mesmo aos meus 29 anos foi a millll por horas.

Mas minha família me surpreendeu e a Amada também. Aceitaram numa boa e minha mãe Tata ainda me aconselhou, da mesma forma que faria se eu falasse que estaria namorando um homem.

É muito bom ter apoio de quem amamos e de quem sabemos que nos ama.

Ter minha família aqui em casa foi ótimo. Sempre respeitamos as pessoas, mas não nos impedimos de dar abraços, beijos no rosto e dar abraços apertados na rua, na praia e assim por diante.

Eu sei que infelizmente muitas famílias não são assim, mas é sempre bom conversar com a família, expôr seus sentimentos, falar do que pensa e do que espera para ser feliz.

Eu sempre dizia na minha casa..."não se preocupem não se eu não arrumar um homem, uma mulher eu arrumo pra mim" e assim eu fui fazendo minha família a se acostumar com o que eu jamais poderia fugir...de mim mesma.

Se eu acreditasse numa religião eu agradeceria a um deus pela minha família, mas como isso não acontece comigo, eu agradeço a Vida e a Natureza por ter me dado a oportunidade de ter uma família maravilhosa mesmo com os seus defeitos.

E desejo que isso aconteça com a família que estou começando a formar com a minha Amada.

Um comentário:

Nietzscheana disse...

Eu sou a única de roupa por que sou comportada.